terça-feira, setembro 20, 2011

COBRANÇAS BANCARIAS E DE EMPRESAS DE TELEFONIA.INDEVIDAS, por MARIO ARCANGELO MARTINELLI

Temos alertado sobre cobranças indevidas, seja em contratos de financiamentos, seja em contas das concessionárias de telefonia, mas a pratica é generalizada.


Os Bancos vivem impondo tarifas mil a seus correntistas e como só uma pequena parte reclama, enchem seus cofres com lucros ilegais.   

Não é à toa que os Bancos Brasileiros são os mais lucrativos do mundo....

Recentemente o Itau começou uma campanha publicitária como o "banco mais rentável do mundo". depois, alguém alertou sobre o efeito contra producente de tal mensagem e mudaram a campanha para "banco mais sustentável do mundo".


Fala sério ! Brasileiro é tão bonzinho...ninguém pune os bancos...porque será?

Será por conta das contribuições milionárias que fazem aos partidos do governo ?


Da mesma forma procedem as empresas de telefonia, principalmente as de celular.

Criam uma série de "Planos" e "Promoções", que pouca gente entende, já que ninguém lê as letras minusculas das clausulas infindáveis...

Depois fazem cobranças absurdas, que a maioria paga sem perceber...

Quando não transferem o número do infeliz para outro consumidor...e este recebe junto uma conta que não é sua....é o fim da picada!

Podemos criticar o lobby desses grupos no Congresso, o que é um fato, pois conseguem aprovar leis que lhe são extremamente favoráveis.

Mas nosso Judiciário é muito benevolente com essas transgressões, aplicando indenizações ínfimas em ações em que o consumidor, exausto de tanto abuso, busca reparo na Justiça.


O caso abaixo, é um exemplo.




Milhares (milhões) de correntistas do Itau, são expoliados.  


E o que acontece ?


A Justiça manda simplesmente devolver o valor cobrado indevidamente.


No mínimo deveria ser devolvido em dobro, como manda a Lei.


E as perdas dos consumidores, juros, e até devoluções de cheques por conta dessa cobrança?


Calma gente, estamos falando com os poderosos....quando eles são apertados, é de mansinho....


DR. MARIO ARCANGELO MARTINELLI







Itaú deve depositar R$ 58 em contas dos correntistas


O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro negou recurso do Itaú contra sentença que condenou a instituição a depositar R$ 58 na conta de cada correntista que tenha pago a Tarifa de Renovação de Cadastro em 2009. A Ação Civil Pública foi ajuizada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. Por unanimidade, a 2ª Câmara Cível manteve o efeito da decisão anterior, da 7ª Vara Empresarial, que concluiu que a cobrança era indevida, como apontado pela 4ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Consumidor e do Contribuinte.
De acordo com o promotor de Justiça, Pedro Rubim Borges Fortes, a cobrança da tarifa é ilegal e proibida pelo Banco Central. Isso porque os bancos não podem repassar custos de deveres legais ao consumidor. Ele informou que o Itaú vinha cobrando dos consumidores uma tarifa para investigá-los, conferindo endereços e checando condição de crédito junto ao SPC e Serasa. Segundo ele, além da atualização ser uma obrigação dos bancos, a cobrança não gera nenhum serviço para o cliente.
Ainda segundo Pedro Rubim, o Poder Judiciário brasileiro já reconheceu o caráter abusivo da Tarifa de Renovação de Cadastro em ações individuais. A 7ª Vara Empresarial atendeu ao requerimento do MP-RJ e declarou nulas, em todo o território nacional, as cláusulas dos contratos que versem sobre tarifa de renovação de cadastro. O Itaú foi obrigado a suspender a cobrança e a depositar R$ 58 diretamente na conta de cada correntista que tenha pago a tarifa.
O juiz da  7ª Vara Empresarial, Cezar Augusto Rodrigues, havia rejeitado o recurso anterior —  Embargos de Declaração. A empresa recorreu, então, ao Tribunal de Justiça com Agravo de Instrumento. Alegou que o Ministério Público não poderia requerer a execução da sentença em favor dos consumidores, pois o interesse na liquidação e execução seria exclusivamente individual. A 2ª Câmara Civil, porém, acolheu o voto da relatora, desembargadora Elisabete Filizzola, no sentido de que a legitimação do Ministério Público nas fases de conhecimento e executiva da Ação Civil Pública é respaldada pelo Código de Defesa do Consumidor.
Outro argumento apontado pelo banco, de que a sentença não fala expressamente sobre a forma de ressarcimento dos clientes, foi apontado pelos desembargadores como uma tentativa de dificultar o cumprimento de obrigação imposta.
“O efeito prático deste julgamento será enorme, já que o banco deverá efetuar o depósito do valor cobrado indevidamente na conta do correntista, que assim será indenizado diretamente sem precisar ajuizar ação judicial ou adotar qualquer providência. É uma tendência do processo civil coletivo contemporâneo no mundo inteiro e é excelente ver o Poder Judiciário fluminense atento à efetividade de suas sentenças”, acrescentou o promotor de Justiça Pedro Rubim Borges Fortes.
O Itaú já havia tentado recorrer anteriormente ao Superior Tribunal de Justiça. O recurso não foi conhecido. O banco terá dez dias para cumprir a determinação, depois que for intimado do julgamento. Com informações da Assessoria de Imprensa do MP do Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se inscreva como membro deste blog e acompanhe assuntos de interesse geral, na área jurídica.

Sobre

Um espaço para abordar temas de interesse na área legal. Quem preferir pode entrar em contato reservadamente pelo formulário ou por email.

Visualizações de página